domingo, 22 de agosto de 2010

Pais que pedem recolhimento de livro são ‘burros’, diz escritor

Amauri Stamboroski Jr.
Clipping Educacional - Do G1, em São Paulo
Conto de Loyola Brandão contém ‘linguagem inapropriada’, dizem pais.
Livro com conto é distribuído na rede pública de ensino de São Paulo.
“Eles são burros porque não estão vendo a realidade”, afirma o escritor Ignácio de Loyola Brandão em entrevista por telefone ao G1.
Ele se refere a um grupo de pais em Jundiaí que pediu ao Ministério Público o recolhimento do livro “Cem melhores contos brasileiros do século”, distribuído em escolas da rede pública. Eles alegam que o conto “Obscenidades para uma dona de casa”, escrito por Brandão, é inapropriado para alunos do ensino médio.
“Nesse momento eu acesso a internet e vejo jovens mandando e-mails com imagens nuas para os amigos. Vejo mensagens no Twitter, de jovem para jovem, muito obscenas. Se você pegar a série ‘Crepúsculo’, tão endeusada, tem muita sacanagem”, diz o escritor. “Eu me pergunto, onde estão esses pais que não conversam com os filhos, que não perguntam o que eles acham de sexo, de erotismo, de palavrão. Que mentalidade é essa, 1500? Em 2010 isso não faz sentido”.
Segundo Gilberto Aparecido da Rosa, pai de duas adolescentes gêmeas de 17 anos, a linguagem do conto “é muito chula para os padrões acadêmicos”. “Acho que os jovens não mereceriam receber uma linguagem dessas dentro das escolas”, afirma.
Brandão diz que esse tipo de abordagem em relação ao livro não é novidade. “Já aconteceu em Jundiaí, já aconteceu em Piracicaba, já aconteceu em Avaré, já aconteceu em Santos”, enumera. “É um livro distribuído para a rede estadual, foi a Secretaria de Educação que escolheu”.
O conto, que foi publicado pela primeira vez em 1983 na revista “Ele & Ela”, narra a história de uma mulher que recebe cartas de um desconhecido, e é baseado em uma história real, que teria acontecido com uma vizinha do escritor.
Sem obscenidades
Para ele, o texto, que já foi publicado em dez línguas e virou vídeo e monólogo teatral, não é obsceno. “Ele é erótico, é sensual, mas é poético. Já foi tema até de vestibular! Não existe obscenidade na arte, a não ser quando ela é pornográfica, e isso é a última coisa que o conto é”, afirma.
Irônico, Brandão agradece aos pais “por terem chamado a atenção para uma obra de arte” e diz não se preocupar com os processos. “Acho que vou ser preso”, brinca. “Estou absolutamente tranquilo. Faço literatura e vou continuar a fazer. Se eu me preocupasse com isso não escrevia nenhuma linha”.
O autor vai comparecer à Bienal do Livro em São Paulo neste domingo (22) lançando uma edição comemorativa dos 35 anos de seu romance “Zero”, que foi censurado pela ditadura militar na época da sua primeira publicação e rendeu um abaixo-assinado com o apoio de centenas de intelectuais.
Lembrando dos anos de chumbo, Brandão diz não ter motivos para se incomodar com as reclamações atuais. “Eu já fui proibido pela ditadura, e estou aqui vivo. Você acha que agora eu vou me preocupar com um pai, um estúpido?”, encerra.
Fonte: http://g1.globo.com

29 comentários:

  1. O problema não está no erotismo nos livros. Esses pais que pediram o recolhimento erraram numa (talvez única) coisa óbvia: Não chamaram os filhos para sentar diante de uma mesa de cozinha ou de uma área de serviço, sei lá, para iniciarem um debate.

    Por falta de cultura geral, esses pais que se aclamam donos da verdade deveriam, pelo menos, pedir explicações ou orientação a respeito da obra. Mas preferiram atirar antes de perguntar.

    Cometem atitudes semelhantes às da maioria de pais despreparados: não sabem dialogar, argumentar de forma instrutiva, pois acham que a tarefa cabe única e exclusivamente à escola.

    ResponderExcluir
  2. Silvana concordo com o autor. Maior ignorância é não ensinar a diferença de um texto erótico, de texto obsceno. E é função da arte fazer as pessoas pensarem. Então, se é tão prejudicial assim o conteúdo, que os pais façam o crivo, façam a sensura de seus filhos. Agora, não é função da escola impedir que os alunos tenham acesso a livros, seja qual for o assunto. Beijos, B.B.

    ResponderExcluir
  3. O lixo do autor não explica porque não adentra a lista de vestibulares ou não há uma referencia se quer em qualquer produção de texto em instituição privada, os que defendem essa literatura em escola pública devem apoiar a leitura das suas filhas , escutar um colega falar que cuspiria em seu pa....e colocaria em seu ânus.

    parem de falar besteira , estou na biblioteca à anos para saber o que é lixo literário. leitura de boteco , pra depois da pinga o pau ficar duro.

    ResponderExcluir
  4. concordo com o comentário acima , não se trata de erótico ou obsceno, se trata do lixo, e de lixo acho quem defende determinada obra entende bem.

    ResponderExcluir
  5. o texto foi originalmente escrito para revista ele e ela ???????? muito didático seu paulo renato

    obrigado por ensinar a nossos filhos serem putos!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Sr. autor de contos de lixo porque o sr. não oferece seus livros para uma escola privada. Será que eles aceitariam seus lixos? pouco provavel. O sr. tem sorte do nosso secretário de educação achar que nossos alunos merecem essa literatura de merda para usar a a mesma linguagem do autor.
    vc defende sua literatura com base na linguagem sem escrúpulos da internet, vc deve ser um boêmio sem filhos , possivelmente um pedófilo.

    ResponderExcluir
  7. sentar e conversar com minha filha?????? a respeito desse lixo???????


    ahahahahahahahaha tá de brincadeira .

    ResponderExcluir
  8. Olá BB. É função da escola apresentar porcaria para seus alunos com dinheiro público? Essas porcarias de livros foram comprados não foi doação não. Ainda assim, se fossem doados não deveriam ser aproveitados. Por acaso vc tem filhos, eles estudam em escola pública ou tem acesso à literatura obscena?

    ResponderExcluir
  9. Os livros foram doados aos alunos eles não escolheram na prateleira , foram colocados a nossos filhos literatura de boteco por ordem de paulo renato.

    ResponderExcluir
  10. cada aluno recebeu um kit com 3 livros , entre eles contos de ele e ela , literatura de bordel.

    ResponderExcluir
  11. Marcos boa sorte com a leitura desses contos com seus filhos , boa sorte garoto.

    ResponderExcluir
  12. Sou pai e burro????? certo ok autor !!!! espere e verá.

    ResponderExcluir
  13. Sil
    Os pais se soubessem a sacanagem que rola nos perfis de Orkut que os filhos têm. Se for comparar, o livro ia parecer coisa de jardim de infância.
    abçs

    ResponderExcluir
  14. Olá Silvana, tudo bem?
    O que acho mais interessante nesta situação é o fato de quem entende e apoia se identifica e quem não apoia, comenta como anônimo.
    Você acha realmente que, um cidadão que não tem coragem de se identificar para expor sua opinião a respeito de um conto, vai ter coragem de encarar seus filhos para uma conversa franca e aberta?
    Com certeza este tipo se pessoa é aquele que não sabe nem dez por cento do que pensa e faz seus filhos.
    Quanto ao texto de Loyola Brandão, se tivesse que ser censurado, deveriamos também censurar a leitura da Bíblia e deixa-la para ser feita apenas por adultos, tamanho número de crimes, violencia e sacanagens contidos em seus versículos.
    Temos que levar em conta o baixo nível cultural e intelectual deste país, onde um ignorante acaba por tentar frear o desenvolvimento de sua prole.
    Imagine você se um pai deste, chegar a ter acesso as conversas que seus filhos tem pela internet? Com certeza irá dizer que é a escola que ensinou seus filhos a serem assim, ou seja, não se conversa com os filhos, não tenta dar o mínimo de estrutura intelectual, não percebe que a criança cresceu e a culpa é sempre dos outros.
    Coisas de país de terceiro mundo.
    Um grande abraço
    Giba

    ResponderExcluir
  15. Sil
    É lamentável que pais de "crianças" com 17 anos se preocupem, apenas, com livros distribuídos na escola pública.
    Será que existe a mesma preocupação com as páginas da net, programas de TV e páginas de revistas.
    Essas "crianças" já votam para a eleição do presidente da república e a partir dos 18 anos serão responsáveis civil e criminalmente por seus atos.
    Não estamos diante de nenhum ingênuo.
    Abraços
    Felipe

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Oi Silvana,

    Eu vi por lá sim. Olha, é uma pessoa só que fez todos os comentários como anônimo. Mesma linguagem e disparo dos comentários é sequencial, com diferença de minutos entre eles.Entre cada sequência de e-mails, também. As vezes, nem isso.

    Porém, mesmo assim, é relevante observar esta revolta.

    Não é alguém tão desinformado ou ignorante. Conhece Paulo Renato, que nem é um político de expressão para ser memorável. E é um pai, que
    não assimilou bem a escolha. Porque não teve escolha. Não lhe foi apresentado o projeto. Foi enfiado goela abaixo, como sempre é no Brasil (indepentedemente de quem esteja GPrefeito, Governador ou Presidente).

    Isso que é interessante ressaltar.

    Quando falei que talvez fosse questão de se reunir com os pais (talvez no início do ano letivo) era para evitar esse tipo de constrangimento aos pais e professores. Se o texto sabidamente iria gerar polêmicas, talvez devesse ser lido para todos. E explicado. Até o porque da escolha. Pela opção em não sermos hipócritas.

    O Brasil é um dos países com o mair número de
    adolescentes grávidas. Somos também, seguramente, um dos países em que mais cedo os adolescente descobrem o sexo. Será que isso não é efeito de não querermos ver o óbvio: as crianças, cada vez mais cedo, tem acesso a informações (e desinformações) sobre sexo. Então, porque não trazer essa discussão para a escola, para a casa de cada família?

    (continua==>)

    ResponderExcluir
  18. (<==continuação)

    Não adianta querer jogar a culpa na educação. Isso é um problema que começa na família, no pequeno grau de intimidade entre pais e filhos.

    O Ignácio também errou, foi infeliz

    em sua informação. Foi arrogante, prepotente. Típico, bem típico mesmo, de nossa elite cultural.

    Ele escreve muito bem sim, é um dos autores mais representativos de sua geração, porém não tem direito algum de taxar pais (ou qualquer outro grupo de pessoas) de BURRO. O homem Ignácio, infelizmente, não esteve a altura do escritor Ignácio. Foi covarde, ao agredir em vez de explicar. Foi ingênuo, ao se defender de uma acusão que nem poderia lhe ter sido feita: a escolha do conto como integrante de um projeto educacional.

    Muitos pais (eu sei disso) com certeza pensam como o amigo que postou um comentário anonimamente. Muitos professores também, até por sentirem constrangidos em ler um texto de natureza erótica na frente de seus alunos. Hipocrisia, criação, timidez, principios religiosos... cada caso é um caso. Mas são limitantes no ambito escolar. Devem ser respeitados, porém trabalhados para que haja a superação desses entraves.

    Não discutimos aqui preferênciais literárias. Muito menos, preferências eleitorais. Isso tudo é muito irrelevante ante a um pbjetivo maior: educar nossos jovens com qualidade, para que sejam não apenas mais um amontoado de cordeiros, mansos, mudos e obedientes. Para que sejam cidadãos de fato. E que assumam os destinos deste país.

    ResponderExcluir
  19. Olá Sil, minha linda!
    Bem, infelizmente acho que muitos pais deveriam retornar à escola e reaprenderem a ler, pensar no contexto acadêmico. Deveriam fazer uma atualização da linguagem, pois toda essa ignorância mostra o quão incapacitados estão tais pais por não saberem distinguir uma literatura poética, uma crônica ou textos literários da pornografia com conteúdo inadequado. Lembrando que a maldade, principalmente neste caso, está muito mais nos olhos de quem a vê, portanto, são esses olhos que deveriam ser re-educados.
    Grande beijo,
    Jackie

    ResponderExcluir
  20. "CONTEXTO ACADÊMICO" AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH

    ResponderExcluir
  21. GIBA VC FALA COM PROPRIEDADE GAROTO VOU CHAMAR VC PRA FAZER A SELEÇÃO DE LIVROS COM DINHEIRO PÚBLICO DA PRÓXIMA VEZ.

    O QUE VC VAI ESCOLHER ......????? DEIXA EU VER ;;;;

    AHAHAHAHAHHAAHHAAHAHAHAHAHAHAAH

    ResponderExcluir
  22. vou dar uma sugestão, antes de preparar pacotes com 3 livros (kits) em ano eleitoral, que tal, mandar a lista de títulos, para a biblioteca da escola e com ajuda de sinópses, o próprio aluno monta o seu kit, sendo os livros permitido para menores, qualquer título poderia ser escolhido pelo aluno.

    porém aqui é Brasil, aqui é superfaturamento, aqui é ano eleitoral , e aqui mais uma vez a escola pública é servido com o lixo "gratuito e feio".

    ResponderExcluir
  23. Lamentável. Qualquer escritorinho medíocre agora é chamado de escritor! Escrever pornografia é ser escritor! E o povão, ignorante tal como esse escritor acerebrado, cai!
    Porque será que os filhos dos próprios funcionários do alto escalão da educação não estão na escola pública:?? Aposto que os filhinhos deles não tem acesso a esse lixo pornográfico, de linguagem vulgar, de baixo calão! Eles estudam em escolas particulares, que possuem ensino erudito. Por isso são Promotores, Juízes, autoridades etc., enquanto as crianças do ensino público ficam relegadas à própria sorte...
    Pais, exijam o recolhimento dos livros, que ferem, inclusive, o Estatuto da Criança e do Adolescente!!
    Sexo deve ser aprendido com princípios, como educaçaõ sexual, deve sim ser ensinado em casa, mas como forma de educação, e não como forma de incentivo à pornografia e à promiscuidade!

    ResponderExcluir
  24. Ah, pra completar, existem diversas realidades Sr. Inácio...talvez a sua realidade seja uma realidade de pornografia e promiscuidade.
    A minha realidade, como jovem que sou, por exemplo, é de erudição, filosofia, músicas de qualidade, literatura de verdade.
    A realidade do Sr. com certeza é compatível com o seu carater e com sua dignidade, ou melhor, com a falta da sua dignidade.
    Dizer que os pais são burros pq não querem que os filhos sejam como o Sr., pornográficos e promíscuos, é que é burrice!

    ResponderExcluir
  25. Minha querida amiga Silvana, boa noite!!!
    Concordo com as disposições do autor, não se ensina nada com proibições, com recriminações, o tempo da ditadura já passou. Concordo com a amiga Jackie, esses pais tem que voltar à escola.
    Parabéns pela excelente postagem!
    Abraços e muita paz!!!

    ResponderExcluir
  26. DUDU que coisa menina!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  27. Eu sou um pai burro. Não concordo que meus filhos leiam esse tipo de livro. Qual a liberdade de escolha que temos quando esse lixo de livro é oferecido aos nossos filhos em uma escola pública? No Brasil confundem liberdade de expressão, democracia, etc, com falta de respeito e de vergonha. Confesso a vocês, realmente eu sou burro e preciso voltar a escola, pois quando estudei eu sempre respeitei a todos como respeito até hoje. Preciso voltar à escola para entender o mundo que vivemos, onde ser promíscuo, não ter caráter, não ter vergonha, usar drogas, etc, isso sim, são valores do mundo atual. Infelizmente eu não evolui como esse autor e aqueles que o defendem.

    ResponderExcluir
  28. Roberta Furacão24 agosto, 2010 23:49

    Eu concordo com o autor, pois os contos eróticos fazem parte de minha realidade. Não sei o por que de tanta polêmica. Na casa onde trabalho todas as meninas adoraram ler os contos.

    ResponderExcluir
  29. O problema não é nem o conto li na integra muito erotico ..mas acredito , que tudo vai da maneira com que interpretamos a leitura. Os professores não estão acostumados e preparados para esta discussão em sala de aula e os próprios alunos são os primeiros a criticar e foram eles que mostaram os livros para os pais.Vamos ver o que vai acontecer. Será que estes livros serão recolhidos??

    ResponderExcluir