segunda-feira, 8 de março de 2010

MEC comprará de docentes questões para exames

Clipping Educacional - estadao.com.br
Perguntas serão usadas em várias provas; selecionado recebe R$ 100
O Ministério da Educação (MEC) inicia na segunda-feira o cadastramento de professores e pesquisadores de instituições públicas interessados em elaborar questões para compor o banco de dados das avaliações do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).
O Inep é responsável por algumas das provas mais importantes do País, como o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade).
O docente receberá R$ 100 por questão enviada que for aprovada pela banca do Inep. O MEC anunciou também que contratará professores para fazerem a revisão técnica e de língua portuguesa. Para essas tarefas, o ministério pagará, respectivamente, R$ 50 e R$ 20 por questão.
Esta será a primeira vez que o Inep comprará diretamente de professores questões de provas. Até agora, as perguntas só eram compradas de empresas. Segundo o instituto, foi necessário alterar a legislação que proibia o órgão de pagar a pessoas físicas pelo serviço.
Além do vínculo com instituições públicas de ensino ou pesquisas, o outro pré-requisito para participar da seleção é ter diploma em licenciatura ou bacharelado, independentemente da área. Não podem concorrer docentes que sejam servidores efetivos ou comissionados de órgãos e entidades do MEC.

COMO PARTICIPAR
Os interessados têm de se cadastrar no site http://bni.inep.gov.br entre os dias 8 e 15. O instituto vai divulgar no dia 18 uma lista de pré-selecionados, que serão convocados para um treinamento obrigatório. A capacitação será realizada entre 10 de abril e 31 de julho.
O Inep deve chamar 500 elaboradores e revisores de questões de várias áreas e 25 profissionais para correção de língua portuguesa. O Banco de Colaboradores será reaberto para novos cadastramentos sempre que necessário, com divulgação pela internet.
fonte: http://www.estadao.com.br

0 comentários:

Postar um comentário